3/15/2018 2:21:17 PM

AMcom apoia setor agribusiness na entrega do Bloco k

Agribusiness Cases Consultoria Bloco K

Projeto realizado para a Bunge é destaque na oferta de consultoria para Bloco K no setor de agronegócios

O Bloco K, livro de registro de controle da produção e do estoque na versão digital, deverá ser entregue por todas as empresas industriais ou equiparadas à indústria, enquadradas no lucro presumido ou lucro real. Essa obrigação acessória também inclui as empresas do setor de agribusiness, que envolvem diretamente matérias primas em sua produção, como a soja e cana de açúcar ou o gado e seus subprodutos.

Esses itens, muitas vezes, são difíceis de serem tangibilizados pelas empresas, pois envolvem matrizes criadas pelo Fisco. Diante deste cenário, a AMcom, empresa especializada em sustentação e desenvolvimento customizado de sistemas, criou um comitê para o Bloco K especialmente dedicado ao setor. A oferta envolve tanto o auxílio no mapeamento de processos e a validação de informações, quanto a análise da estrutura produtiva e a construção completa do projeto do Bloco K, com possíveis sugestões de alterações para as exigências do Fisco.

 “Só o fato de ter um ERP não significa que a empresa conseguirá atender a obrigatoriedade. As empresas possuem problemas na operacionalização e na movimentação de estoques, por isso a estratégia envolve desde o acompanhamento no processo até o apoio sistêmico. Mesmo que a empresa já tenha iniciado o projeto do Bloco k, podemos auxiliá-la na validação dos processos e informações, evitando, assim, autuações futuras”, pontua o diretor de Agribusiness da AMcom, Fernando Silva.

O próximo calendário do Bloco K prevê para janeiro de 2019 as seguintes entregas: Escrituração completa para os estabelecimentos industriais classificados nas divisões 11, 12 e nos grupos 291, 292 e 293 da CNAE; Entrega restrita à informação dos saldos de estoques escriturados nos Registros K200 e K280, para os demais estabelecimentos industriais classificados nas divisões 10 a 32 e Escrituração completa conforme escalonamento a ser definido para os estabelecimentos atacadistas classificados nos grupos 462 a 469 da CNAE e os estabelecimentos equiparados a industrial.

Toda produção, dentro ou fora da indústria, precisa ser apontada, pois a receita irá cruzar as informações de estoque X movimentação, onde todos os dados precisam estar concisos. As perdas no transporte de inbound e outbound, e, as perdas no processo produtivo, também precisam ser sinalizadas. “Inicialmente, será uma tarefa trabalhosa, mas essa obrigação acessória veio para auxiliar o processo de controle de estoque e produção, tornando-as padronizadas na empresa e auxiliando para uma gestão mais controlada e eficiente”, finaliza Fernando Silva.

Conheça o case completo em nossa área de cases Clicando Aqui

Conteúdo: Assessoria de Imprensa AMcom

Compartilhe: