Quais são as novas tecnologias do agronegócio e seus benefícios 

Nos últimos anos, com as novas tecnologias do agronegócio, o setor tem se destacado na economia brasileira. Um dos motivos para esse destaque é a mão de obra aliada ao avanço tecnológico. Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que a agropecuária é a única atividade que vem demonstrando força em 26 anos, se comparada ao setor da indústria e serviços.  

Com o avanço da ciência e da tecnologia, a produção agropecuária está cada vez mais modernizada e eficiente. Isso resulta em maior produtividade e qualidade dos produtos. Além disso, as novas tecnologias do agronegócio contribuem para o desenvolvimento sustentável do setor, reduzindo o impacto ambiental e promovendo a preservação dos recursos naturais.   

A princípio, vamos traçar um paralelo entre a recente pesquisa sobre o setor realizada pela MIT e as tendências tecnológicas. Sobretudo pelo objetivo de compreender como o uso dessas novas tecnologias por parte do agronegócio brasileiro podem transformar processos e resultados.   

O Massachusetts Institute of Technology (MIT) é um dos principais centros de estudo do mundo. Primordialmente, a recente edição “Tecnologias emergentes no agronegócio” apresenta tendências para um futuro mais sustentável e eficiente. O que corrobora com o que temos visto em todos os mercados. E é isso que vamos discutir a seguir neste material.  

“Você está lendo: Quais são as novas tecnologias do agronegócio e seus impactos no mercado”  

O que é tecnologia do agronegócio?   

Antes de tudo, vamos entender como a tecnologia tem auxiliado o agronegócio. Isso tem acontecido de diversas formas, como por exemplo:  

  • automação de processos;  
  • inteligência artificial para análise de dados;  
  • drones para mapeamento de áreas cultivadas;  
  • sensores para monitorar a qualidade do solo;  
  • otimização de rotas de transporte, entre outros.   

Logo, percebemos uma evolução na eficiência e produtividade, além de reduzir custos e minimizar impactos ambientais. O que auxilia na competitividade do setor e impulsiona seu crescimento, contribuindo para o desenvolvimento da economia do país. Além disso, a utilização de tecnologia no agronegócio pode gerar novos empregos qualificados, tornando o campo atrativo para as futuras gerações, e atrair novos investimentos para o setor.  

 O que são tecnologias emergentes?  

Nesse sentido, surgem as tecnologias emergentes. São chamadas assim porque ainda estão em desenvolvimento. Ou acabaram de ser lançadas no mercado. Elas prometem transformar diversas áreas, como a economia, a educação, a saúde, a cultura e a sociedade num todo. Afinal, impactam na forma como as pessoas interagem, trabalham, aprendem e até se divertem. São vistas como grandes motivadoras de inovação e progresso.  

Essas tecnologias são consideradas emergentes porque ainda não estão consolidadas. Elas não possuem maturidade, não se conhece todo o seu potencial. Enfim, estão em fase experimental ou em processo de aprimoramento, apresentando uma série de desafios técnicos, regulatórios e éticos.  

Quais são as novas tecnologias do agronegócio?  

Por fim, agora que você já compreendeu como a tecnologia tem impulsionado o agronegócio e o que são tecnologias emergentes, apresentaremos as tendências. Logo, essas são as tecnologias que receberam intenção de investimento.   

A pesquisa do MIT tinha o objetivo de investigar esse cenário e entender a viabilidade de aplicação dessas novas tecnologias. Ela foi realizada com produtores rurais, considerados fontes primárias, e com líderes de indústrias relacionadas ao setor, as fontes secundárias.   

  “Você está lendo: Quais são as novas tecnologias do agronegócio e seus impactos no mercado”  

  Fique por dentro dos principais resultados na sequência  

Abaixo estão os principais interesses de cada um dos grupos entrevistados para investimento:  

  • Fontes primárias: Conectividade 5G e Internet das Coisas (IoT); Georreferenciamento e Cartografia Digital; Meteorologia Digital.  
  • Fontes secundárias: Analytics e Big Data; Conectividade 5G e Internet das Coisas (IoT); Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina.  

 Entenda melhor as novas tecnologias do agronegócio  

Fazendo uma correlação entre as respostas dos dois grupos, chegamos as cinco tecnologias prioritárias:  

  • Conectividade 5G e Internet das Coisas (IoT): pode-se dizer que o 5G se torna a tecnologia prioritária de investimento para fontes primárias e secundárias. Isso pela necessidade de aliar conectividade e velocidade. Ou seja, o 5G é a ponte para que que os dados sejam enviados e analisados rapidamente. E assim, sensores (IoT) podem atuar com mais eficiência e eficácia.  
  • Analytics e Big Data: a pesquisa reforça que não há mais espaço para que a tomada de decisão seja feita por feeling do gestor. Para mais produtividade e assertividade, acredita-se que é necessária mais previsibilidade sobre os resultados de cada ação. Portanto, o investimento em Analytics e Big Data acaba impulsionando o investimento também em IA. Afinal, se combinadas, essas tecnologias trazem dados que resultam em insights praticamente impossíveis para o cérebro humano.  
  • Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina: como resultado das oportunidades oferecidas pela IA e combinadas com Analytics e Big Data surge a visão computacional. Ela se refere à extração de informações a partir de imagens digitais. No agronegócio, pode ser usada para detectar doenças e pragas. Além de estimar safras e auxiliar na automação de processos robóticos (RPA), por exemplo.  
  • Computação em Nuvem e Cibersegurança: ao citar Analytics e Big Data, naturalmente chegamos à computação em nuvem (Cloud Computing). Em suma, elas se complementam com a velocidade de captura e processamento de informações das clouds.  
  • Georreferenciamento e cartografia digital: todo o investimento em conectividade e agilidade fazem crescer o interesse em investir em EOS (Earth Observation System). Esse tipo de sistema ajuda a identificar fenômenos naturais que influenciam diretamente nas atividades de cultivo e plantio, bem como intempéries do tempo.  

 Novas tecnologias do agronegócio seguem tendência  

Dessa forma, traçando um paralelo com os demais setores, podemos dizer que o agronegócio segue as mesmas tendências tecnológicas. Tal qual aponta a pesquisa executiva de tecnologia da consultoria global Gartner com CIOs brasileiros para 2023, em que são reveladas as prioridades estratégicas:   

  • melhorar a experiência do cliente/usuário,   
  • melhorar a excelência operacional,   
  • introduzir novos produtos e serviços digitais,  
  • aumentar a inovação.   

Todos esses objetivos se fazem necessários diante dos desafios que as empresas têm encontrado para utilizar dados. Seja, por exemplo, na estratégia, na automação de processos, na integração de sistemas, na modernização de aplicações, no desenvolvimento de jornadas cloud e mobile, etc. A utilização de dados nessas oportunidades também passa a ser vista como um diferencial competitivo, afinal, é um processo que foca no investimento em inovação contínua.  

Por último, o levantamento também indica a Inteligência Artificial e o Aprendizado de Máquina como a tecnologia que deve ser implementada até 2025 por 96% dos executivos. Destaque ainda para Nuvem Distribuída (89%) e 5G (77%).  

A expertise da AMcom no agronegócio  

Com mais de 25 anos de experiência, a AMcom atua com importantes atores do agronegócio brasileiro, como por exemplo ADM, Bunge, Coamo, entre outros. Portanto, no nosso site, estão disponíveis cases de sucesso de soluções inovadoras e que ajudaram a transformar resultados nesses e em outras empresas.  

Para entender como nós podemos ajudar o seu negócio, entre em contato com um de nossos especialistas. 

Deixe seu comentário

CANAL DE ÉTICA E CONDUTA

O Código de Ética e Conduta da AMcom expressa a forma de atuação da empresa em todos os seus negócios, orientando o modo pelo qual seus colaboradores e terceiros devem se comportar e agir em relação aos temas nele abordados.

Ele reúne as principais diretrizes éticas, normas internas e o dever de conformidade com leis e normas externas, especialmente aquelas voltadas ao combate à corrupção, suborno e lavagem de dinheiro, ao assédio e a toda e qualquer prática irregular.

Ele dispõe, ainda, de regras relacionadas aos comportamentos desejados na empresa e que devem ser adotadas por todos, e estimula que seja utilizado o Canal de Denúncia imediatamente caso haja qualquer violação ao código.